Posts Tagged 'para ler'

Comigo mesma

Tumblr_lfd4vxkm7j1qbj8aso1_500_large

“Acho espantoso viver, acumular memórias, afetos.”

Caio Fernando Abreu.

Sento-me à porta, o calor do dia toca minha pele. Nada como o verão, mas sinto falta de outras estações, talvez não tão vivas e brilhantes quanto essa, mas encantadoras de formas distintas. Sou uma contradição, gosto de opostos. Branco. Preto. Verão. Inverno. Noite. Dia. Tanto faz, eu adoro. Adoro a vida – mesmo quando dolorosa – e não temo a morte. Não a minha.
Às vezes fico repleta de sonhos e sensações. Às vezes não sinto nada, e isso também machuca, talvez não como a dor do não-amor ou da perda, mas como uma dor que implora por motivos, razões. Mas nada acontece, e essa dor desnecessária é que me preenche nas horas vagas, e nela até sorrio… Não sou triste como pareço, embora não saiba quem e o que sou, sei o que não sou. E não sou triste. Apenas tenho um curioso afeto pelo que machuca, ah, as pessoas detestam tanto o que fere, que sinto piedade, e poderia pô-los em meu colo para protegê-los de tantas palavras más a seu respeito. Palavras machucam, trazem lágrimas até aos olhos mais alegres e brilhantes.
Tenho os olhos de quem sonha, de quem quer. E acho que essa seja uma boa definição para mim, tão simples e clara. Alguém que sonha. Alguém que quer.
Mas isso não descreve exatamente minha essência, pois sou também alguém que sente. E sendo assim, choro, rio, sor-rio, também me calo, observo e falo sem parar. Me desespero, sinto medo, tédio. Fujo para dentro de mim, caio em meus abismos, pulo de precipícios. É isso que sou. Isso e um pouco mais, porém não sei, às vezes todas minhas certezas tornam-se pó e não é nada fácil reconstruí-las.
Gosto de imobilidade, tenho medo de escuro, sou perfeccionista, detalhista e dezenas de outros adjetivos que podem ser bons e ruins – ao mesmo tempo.
Agora, o vento balança as folhas dessa árvores que é uma memória viva de minha infância. Eu adoro o vento, adoro a sensação de leveza que ele me traz – ou do peso que às vezes carrego. Adoro o vai e vem da rede e odeio o vai e vem do amor. Amo e não amo, amo e não amo, e isso também machuca.
Tenho essa mania de ir e vir, mas também sou definitiva: ou permaneço ou digo adeus. Dói dizer adeus, principalmente quando existe esperança. Dói viver, dói morrer – por dentro. Dói chorar escondido, no escuro, em um canto. O que vale a pena dói, o que não vale também. Vez ou outra sou tão dolorosa, tão dolorida, que chego a sorrir, e acolho a dor, porque ninguém mais a quer. E rejeição dói muito mais.

@viajantejeans

@DanielaFilipini – http://www.danielafilipini.blogspot.com/

Um pouco de coragem…

Tumblr_le430o9gac1qcmy8fo1_500_large

Olhos opacos miram o céu distante, que de tanta angustia perdeu o brilho e as cores, tornando-se então um teto de veludo negro – sem sequer uma estrela para refletir. Eu ando esquecendo de tudo, das flores, os cheiros, os medos e amores, das histórias, dos velhos tempos. Sinto-me obrigada a falar, e o que eu tenho pra dizer não é o que as pessoas querem ouvir. Sinto-me como se estivesse à beira de um abismo sem fim, lembranças não servem para alimentar a alma e o corpo pede socorro. Gritos podem ser ouvidos se você me abraçar e deixar o rosto próximo ao meu por alguns segundos, porém, já não os ouço, e nem mesmo sinto o toque de braços à me acalentar. O meu único alivio é correr, e eu já não sinto minhas pernas. Algo está errado, ou certo demais para que eu possa compreender. Não posso ignorar os fatos, não posso esquecer os atos. Tome conta desse corpo que agora desiste, esses olhos estão preenchidos de desespero e a dor bate mais forte que o coração. Agora fujo rumo ao sol que nasce lento no horizonte. A escuridão já não pode me parar, mesmo que minhas forças tenham sido extintas no ato de amar. O problema é essa singularidade, é essa fome de liberdade. A solução é o sentimento que sorri pra mim todas as tardes, é a sensação de céu que me envolve calmamente. O sol brilha, a escuridão foge. Ela voltará, eu sei. Mas sou covarde demais pra pensar nisso agora, quero acreditar que não vou perder-me, que a estrada não se tornará incerta. Quero um pouco de coragem pra sonhar e correr o risco de viver os meus sonhos.

@viajantejeans

Daniela Filipini – http://danielafilipini.blogspot.com/

Simples e direto.

Tumblr_levw4o7rpq1qcswh7o1_500_large

“Não é porque o céu está nublado que as estrelas morreram.”

Uma semana sem você, sete dias vividos de precipício em precipício, sempre beirando meus abismos, evitando e desejando quedas pro fundo de mim, para a essência de meu ser, minh’alma. Sete dias de paisagens fascinantes, um ar mais puro, uma chuva suave. Sete dias de um céu muito mais estrelado, de músicas melhores, bonitas, selecionadas.
Porém, sete dias sem o seu toque, o seu olhar, a sua voz. Sete dias longos e vazios sem a sua presença. Sete dias e nenhuma história, apenas a cansativa rotina de um dia diferente do outro. Mas antes de todos esses fatores, o que mais me fascina é a forma como você me preenche, me entende. É extraordinário o modo como você me acomoda nos seus braços e me faz sorrir com tão pouco. Eu devo agradecer-lhe por tê-lo, mesmo que a distância.
Você, como mais ninguém, me encanta, com seus olhos claros que eu sempre fico a observar.
“Não foi nada, eu apenas quero guardar a lembrança da cor dos seus olhos e do que eles me transmitem. E só. Não se preocupe.”
Durma bem, anjo meu, que os seus olhos nunca se apaguem da minha lembrança. Escrito dia 12 de janeiro de 2011, às 0 horas e 36 minutos, em São Miguel do Oeste, Santa Catarina.

@viajantejeans

Daniela Filipini – http://danielafilipini.blogspot.com/

Os 6 melhores livros por Luana Werner.

Então eu tenho uma amiga, o nome dela é Luana werner (@luana_werner) de canoas/RS mas está de mudança pra sp , e ela curte MUITO ler livro que eu fico impressionada…. ela já leu uns 100 eu acho! ou mais! SGAYUSGAUYGS. Daí eu pedi pra ela fazer um release dos 6 livros que ela mais gostou de ler, eu pensei que seria impossivel mas ela conseguiu escolher!

Os Delírios de Consumo de Becky Bloom – Sophie Kinsella (foto da capa)

É o primeiro volume da série sobre Rebecca Bloomwood, uma jornalista financeira que não consegue cuidar das próprias contas. Compradora compulsiva (como eu, posso salientar), ela vive endividada, e fugindo de gerentes de banco e boletos bancários. Mas além de tudo, Becky é uma boa garota. Otimista, sempre confiante, sensível e carinhosa. Sempre sonhadora, acredita piamente que vai ganhar na loteria para poder pagar suas contas, ou que a fatura do cartão foi destinada a pessoa errada, ou então, que um estranho possa pagar sua fatura, enganado. No meio da confusão que a vida de Becky se torna, ela encontra Luke Brandon, especialista em finanças e se apaixona.

O livro tem uma leitura fácil e extremamente divertida. Indico para aquelas que não gostam muito de ler, porque ele não cansa.. é facílimo lê-lo em dois ou três dias. Na verdade, todos, que eu li, da Sophie Kinsella tem esse tipo de escrita. Então, indico a autora.

Continue lendo ‘Os 6 melhores livros por Luana Werner.’


Verdade Feminina

A arte de saber a hora de se apegar e a hora de deixar

"Paraibana, modelo, detesta o meio termo. Pra mim só existe o sim, ou o não; O preto ou o branco. Odeio quem fica em cima do muro, ou ter que ficar em cima dele."

welcome

  • 551.290 acessos diários

" se tudo que quiséssemos acontecesse de uma hora para outra. Teriamos respostas para todas nossas perguntas e dúvidas, saberiamos o verdadeiro significado do amor e porque o céu é azul! "

Sabe quando você sente que precisa escrever mas não escreve porque tem medo de sentir?

Procurando

Algumas pessoas nunca precisei chamar de nada e sempre foram e serão especiais para mim.

@viajantejeans

Contato ,dicas & criticas

jeansviajante@hotmail.com

%d blogueiros gostam disto: