Posts Tagged 'texto'



Nunca me deixe.

Tumblr_lhtdtqsp1p1qgbwyco1_500_large

Nunca é tarde demais para mudar. Nunca é tarde para se tomar uma providência. Nunca é tarde demais para lembrar que um dia já fomos românticos. Nem nunca é tarde para dizer eu te amo. Nunca é tarde demais para se aprender uma nova língua. E também nunca será tarde para correr atrás daquele sonho. E nem daquele amor. Nunca é tarde demais para se buscar um ideal. Nunca é tarde para começar a cuidar da saúde. Nunca é tarde demais para conquistar novos amigos. Nunca será tarde para fazer aquela viagem. Nunca é tarde demais. Nunca é tarde demais para começar tudo de novo!

@viajantejeans

Stay

1066989-11-1298480094603_large

O passado não se foi não me adianta dizer o contrário. Não, o passado ainda existe, se não existisse… a palavra “passado” também não existiria, já que não nos lembrariamos mais dele, porque ele nao existe. Confuso, porém realista. Não me venha dizer que “isso já passou” ou “não adianta chorar o leite derramado”. Se eu quiser chorar o leite derramado, eu vou chorar, porque ele continua lá, caído, no presente, mas eu não posso mais bebê-lo, porque isso é passado. O passado machuca, e muito. Ele pode até ter ido embora, mas a dor continua aqui… a dor não pegou carona com ele, não, a dor me acompanha para todo o sempre. Não sei se estou sendo clara o suficiente. Por exemplo, eu posso ter te dado um soco, após um minuto, ainda vai estar doendo, apesar de meu punho não estar mais te tocando. E é por isso, apenas por isso, que eu ainda choro por você… você pode ter ido embora, mas o meu amor por você ficou.

@viajantejeans

So close yet so far!

Teus olhos estão fechados suavemente, teu peito mostra que respiras num vai e vem gostoso frente aos olhos que tanto gostam de observar-te. Minha mão desliza pelo teu cabelo, quase insensível, para não te acordar. Dormes, tão pequena, como se o mundo real fosse demasiado banal para a tua mente sonhadora. Quiseste cantar e me deixaste ouvir-te. Lembro-me desde então, das palavras doces ditas pela tua voz infantil num idioma que não era o teu. Impossível não lembrar.
Quarenta e oito meses se passaram desde o primeiro contato, e hoje tu adormeceste em meus braços cheios do mais puro amor. Tão bom é te ter aqui, eu não soube até sentí-la, que durante todo esse tempo meu maior sonho foi estar contigo, ao teu lado, chamar-te minha. Tão minha que deixarei que tu partas pela manhã, se essa for a tua vontade, mas se disseres que fica, meu amor, perco-me na alegria que essas palavras trarão. Vejo tua risada muda ao fechar os olhos, lembro de tudo o que passamos. Porque demoraste tanto, amor meu? Te esperei por cada minuto, sem ao menos saber do meu ato inconsciente, mas tudo ficou claro quando te vi chegar, andando em minha direção com o teu sorriso envergonhado nos lábios e um brilho alegre nos olhos. Tu caminhaste, lentamente, e passo por passo eu gravei em minha mente, e aquelas segundos mostraram-se eternos, pois precediam o nosso primeiro abraço. Quando por fim paraste à minha frente, sem reação fiquei, e como tudo sempre disseste: todos os gestos ensaiados esvaíram-se em ar, nos olhamos por um breve segundo. E então o sorriso. O sorriso com o qual sonhei tantas e tantas noites. E foi como se o mundo começasse a girar, ao teu redor, nosso redor.
De repente os meus braços envolveram-te carinhosamente num abraço que jamais terei igual. Ali ficamos, por um longo tempo onde tudo o que aconteceu foi o nada que tornou-se tudo assim que passou a existir.
Agora te vejo aqui, tão quietinha ao meu lado e me pergunto se é possível ficar mais feliz, e tu, inconscientemente, responde que sim, e agora tudo é possível, pois abriste os olhos e encontraste os meus, destes aquele sorriso envergonhado coberto de sono e disseste oi, como se fosse a coisa mais normal do mundo acordar e encontrar assim, tão perto, a pessoa que chamamos de amor.
“Vou me enganar mais uma vez, fingindo que te amo às vezes, como se não te amasse sempre.”
Tati Bernardi.
Para alguém muito mais que especial.

@viajantejeans

Daniela Filipini – http://danielafilipini.blogspot.com/

 

Onze minutos.

Fecho os olhos em busca de qualquer lembrança que me traga uma história, uma história como aquela que vi nascer e hoje vive tão perto de mim. Uma história que não posso deixar acabar. Não falo das minhas paixões desenfreadas ou da intensidade que por instantes amo alguns seres. Mas dessa certeza de que tudo irá acontecer exatamente como deve acontecer.
Nada me vem à mente, se não palavras antes já ditas ou sentimentos mortos que revivem por segundos e voltam ao seu estado imóvel. Como se estivesse prestes a explodir.
E o que poderia ser dito, diante dessas vozes que me envolvem, nas quais apenas uma se torna verdadeiramente audível. E são palavras ditas do mais profundo de sua alma, palavras que clamam, imploram por serem ditas. E entre lágrimas e soluços e suspiros, ganham vida. E a partir do momento em que vivem, tornam-se eternas na lembrança. Lembrança dos olhos que vêem, da alma que sente, do coração que pulsa. E tudo transforma-se em um só ser. Resultando no que chamamos de amor.
Momentâneo, talvez… Passageiro…
Mas, amor.

Frio. Dentro. Fora.

@viajantejeans

Daniela Filipini – http://danielafilipini.blogspot.com/

The question



Eu até hoje procuro a resposta pra pergunta que faço pra mim  todos os dias antes de dormir,a pergunta que questiona o porquê de você. O porquê que quando eu penso em estar com alguém, em qualquer lugar estranho que seja, esse alguém é imaginado com seu rosto, mesmo eu não querendo.

Algo que nem eu entendo ás vezes, o porque que eu te quero tanto assim tão indiscretamente dentro de mim. Acho que eu não me entendo, e nem tentaria, apenas queria te esquecer.

@mariaaluska

Sua ausência, minha dor.

Tumblr_ld1wmekoml1qdkgi3o1_500_large
O gosto amargo de café na boca parece perfeito para as lágrimas tristes que despencam pelo meu rosto, o corpo implora por descanso, a alma implora por amor. Tenho me sentido tão vazia… É como se uma ventania pudesse me levar pra longe, e talvez essa ventania toda esteja acontecendo dentro de mim. E a confusão se cria, outra vez. Posso escutar o grito incansável que preenche a loucura do meu interior. Posso sentir a dor intocável destroçando meu peito. E meu coração bate tão rápido, o tempo todo, como se cada momento fosse o último. As horas passam lentamente, quanto isso irá durar? Quanto posso suportar? Meus olhos doem, minha voz me trai. Sinto que minha armadura está se despedaçando muito rapidamente, e agora disfarce nenhum poderá me proteger. Estou exposta ao mundo e preciso me esconder. Está começando a esfriar e eu me sinto desprotegida e sozinha. Acabo de correr pela noite, fugindo da chuva que acaba de começar. É como se o mundo chorasse, em meu nome, por tua ausência… Diga-me que tudo ficará bem. Preciso da fuga, do alento, preciso de um lugar seguro. Diga que será assim, pra mim. E eu prometo suportar tudo o que me for imposto, desde que eu esteja contigo.
“Então me avise quando você ouvir meu coração parar. Você é o único que conhece. Me avise quando ouvir meu silêncio, há uma possibilidade de eu não saber. Então me avise quando meu silêncio terminar. Você é o motivo pelo qual me fechei, então me avise quando me ouvir caindo, há uma possibilidade de isso não se mostrar. Pelo sangue e por mim, eu cairei quando você se for.”
Possibility – Lykke Li.

 

@viajantejeans

Daniela Filipini – http://danielafilipini.blogspot.com/

Simples e direto.

Tumblr_levw4o7rpq1qcswh7o1_500_large

“Não é porque o céu está nublado que as estrelas morreram.”

Uma semana sem você, sete dias vividos de precipício em precipício, sempre beirando meus abismos, evitando e desejando quedas pro fundo de mim, para a essência de meu ser, minh’alma. Sete dias de paisagens fascinantes, um ar mais puro, uma chuva suave. Sete dias de um céu muito mais estrelado, de músicas melhores, bonitas, selecionadas.
Porém, sete dias sem o seu toque, o seu olhar, a sua voz. Sete dias longos e vazios sem a sua presença. Sete dias e nenhuma história, apenas a cansativa rotina de um dia diferente do outro. Mas antes de todos esses fatores, o que mais me fascina é a forma como você me preenche, me entende. É extraordinário o modo como você me acomoda nos seus braços e me faz sorrir com tão pouco. Eu devo agradecer-lhe por tê-lo, mesmo que a distância.
Você, como mais ninguém, me encanta, com seus olhos claros que eu sempre fico a observar.
“Não foi nada, eu apenas quero guardar a lembrança da cor dos seus olhos e do que eles me transmitem. E só. Não se preocupe.”
Durma bem, anjo meu, que os seus olhos nunca se apaguem da minha lembrança. Escrito dia 12 de janeiro de 2011, às 0 horas e 36 minutos, em São Miguel do Oeste, Santa Catarina.

@viajantejeans

Daniela Filipini – http://danielafilipini.blogspot.com/


Verdade Feminina

A arte de saber a hora de se apegar e a hora de deixar

"Paraibana, modelo, detesta o meio termo. Pra mim só existe o sim, ou o não; O preto ou o branco. Odeio quem fica em cima do muro, ou ter que ficar em cima dele."

welcome

  • 550.546 acessos diários

" se tudo que quiséssemos acontecesse de uma hora para outra. Teriamos respostas para todas nossas perguntas e dúvidas, saberiamos o verdadeiro significado do amor e porque o céu é azul! "

Sabe quando você sente que precisa escrever mas não escreve porque tem medo de sentir?

Procurando

Algumas pessoas nunca precisei chamar de nada e sempre foram e serão especiais para mim.

@viajantejeans

Contato ,dicas & criticas

jeansviajante@hotmail.com

%d blogueiros gostam disto: